20.6 C
Rio de Janeiro
sexta-feira, 17 setembro, 2021
spot_img

Entenda o problema das sementes transgênicas

Você quer entender o problema das sementes transgênicas? Então leia esse post que preparamos para você!

Na agricultura convencional o único foco é produtividade e padronização.

Através de monoculturas (e utilização de sementes transgênicas), uso de máquinas e grandes quantidades de agrotóxicos, há uma grande contaminação do solo e do lençol freático. E também os trabalhadores, comunidades vizinhas e os consumidores.

Muitas pessoas não entendem quais são os problemas das sementes transgênicas e eu vou te contar aqui: são sementes geneticamente modificadas para promover alguma “facilidade” no cultivo, como serem menos suscetíveis ao ataque de pragas e que suporte maior quantidade de agrotóxicos.

Riscos à saúde e perda de biodiversidade

Por se tratar de uma tecnologia relativamente nova, não se tem estudos do que a transgenia pode causar à saúde humana em longo prazo, mas só pelo fato de suportarem maior quantidade de agrotóxicos já se pode ter noção.

Além disso, não precisamos de grandes estudos pra saber que essa tecnologia juntamente com a monocultura é responsável por acabar com a diversidade do planeta.

Esse método de cultivo industrial torna cada vez mais difícil o acesso às sementes crioulas (variedade de sementes que são naturalmente selecionadas e cultivadas por povos tradicionais ao longo das gerações), pois as sementes transgênicas contaminam as sementes crioulas, e isso faz com que a agricultura familiar e tradicional corra perigo.

As sementes crioulas, vem sendo dizimadas para dar espaço às grandes plantações de monoculturas de commodities que são produzidas não para alimentar a população local, mas para a exportação e aumento de um capital centralizado nas mãos dos gigantes do agronegócio, e produzir alimentos industrializados em larga escala.

Ou seja, perdemos o direito humano de sermos detentores das sementes, e agora temos que pagar por elas que já vem geneticamente modificadas! Não parece loucura?!

Mais uma informação para você começar a pensar sobre o problema das sementes transgênicas: os detentores dessa tecnologia e produtores das sementes transgênicas são empresas como Monsanto, que também é uma das maiores produtoras de agrotóxicos e que foi comprada pela Bayer, uma das maiores empresas da indústria farmacêutica.

Quais são os interesses dessas empresas? Qual a relação entre esses produtos? Vender semente transgênica, vender agrotóxics e vender remédios. A sua saúde, que é vista como geração de capital.

Então quer dizer que os transgênicos estão acompanhados de utilização de agrotóxicos? Sim. Mas e os agrotóxicos, são utilizados apenas nas sementes transgênicas? Não.

Como vemos no mercado, a maior parte dos produtos vegetais oferecidos à população provém da agricultura convencional, que faz a utilização de agrotóxicos.

Atualmente no Brasil existem sementes transgênicas (além do algodão) de milho e soja, as duas maiores commodities de exportação, mas já estão querendo introduzir sementes de feijão transgênico no Brasil.

Imagina só? A tecnologia de produção do clássico feijão com arroz do dia a dia do brasileiro sendo detida por uma das maiores empresas farmacêutica do mundo?

E você quer saber qual a solução para esse problema? O cultivo de alimentos orgânicos através agroecologia.

Confira nesse post aqui as diferenças entre Agronegócio e Agroecologia.

Curso Online de Produção de Alimentos Orgânicos. Clique e confira.

Thais Canan
Thais Canan é engenheira de alimentos formada pela Universidade de São Paulo (USP). Depois de trabalhar em uma indústria de congelados veganos, decidiu trilhar o seu próprio caminho de forma autônoma. Fez o curso de permacultura no Instituto Pindorama, onde ficou como voluntária por um ano e trocou moradia e alimentação pela sua força de trabalho. Foi lá que desenvolveu seus primeiros produtos a partir do aproveitamento integral da bananeira, que hoje é uma linha de produtos da sua marca. Já trabalhou em projetos do restaurante orgânico Casa Pindorama. Além disso, também em parceria com o Instituto Pindorama, atua como professora de processamento de alimentos.

Artigos Relacionados

Siga o Instituto Pindorama

325,429FãsCurtir
215,000SeguidoresSeguir
109,000InscritosInscrever
spot_img

Relacionados