O arquiteto como uma coisa horizontal

Palestra de Tomaz Lotuffo para o Sílabas.

Vamos falar de um projeto num parque ambiental privado de entretenimento por meio de
educação ambiental, em Morretes – PR, que contará com um núcleo de permacultura e com isso, o
turista que visitá-lo, será convidado a “colocar a mão na massa”.
O projeto:

A parte esquerda era um estábulo onde está sendo construído um espaço no qual acontecerão
oficinas, quem tiver interesse, poderá aprender a trabalhar com bambu, terra e outras fibras. O lado
direito consistirá em uma cozinha escola, espaço que será destinado a processar os alimentos locais.
Então se ali se produz muita Pupunha, por exemplo, o turista aprenderá a processá-la e assim
entenderá a sua importância. Em cima da cozinha, uma grande varanda será erguida, e o espaço será
destinado à cultura, artes e meditação.
É possível notar que o arquiteto já não é mais só o arquiteto, ele é uma coisa horizontal. Nessa
dimensão, quem constrói tem uma importância fundamental, então a ideia para o parque fora
trabalhar com pórticos onde se faz a mesma peça e a reproduz.

Os pórticos foram feitos no ateliê do bambuzeiro Lúcio Ventania – que os levou de caminhão e
montou a estrutura em apenas 13 dias.

O mais interessante é que pessoas de uma comunidade e sendo ou não artesãos, podem se juntar
num ateliê de bambu e construir coisas de tamanha proporção, isso, economicamente falando, é de
suma importância. O bambu foi a matéria-prima encontrada em abundância e com disponibilidade
em Morretes e a lógica construtiva é ensinar a usá-lo para que depois, as pessoas provenientes da
localidade possam trabalhar com esse recurso.
Foi feito também um galinheiro com cobertura viva de plantas locais como bromélias, onde todo o
material retirado da cobertura do estábulo foi utilizado. Deve-se salientar que sempre que se retira
algo de um local, é importante dar a isso um destino.

O traço deve ser algo que ao invés de oprimir – como a imagem da construção mostrada no início do
texto, onde ninguém aprende como faz, a matéria-prima tem que vir de longe e só as grandes
indústrias detém o poder de fazê-la –, liberta. Com essa liberdade, as pessoas conseguem tirar do
solo o que vão construir e fazê-lo em suas próprias casas.

novembro 26, 2018

1respostas em "O arquiteto como uma coisa horizontal"

  1. Attempt the readers wrote negative comments, do not
    bother reading the free article. If you’re in order
    to be writing a long article, might make it fun these to by way of. https://webmaster95.ru/bitrix/rk.php?goto=https://scr888.group%2Flive-casino-games%2F2485-3win8

Deixe sua mensagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Instituto Pindorama - Todos os direitos reservados
Share This