Quando a matéria-prima pertece ao lugar.

Uma forma de permacultura é quando o traço permite que a matéria-prima pertença ao lugar e,
consequentemente, promova a cultura. A foto abaixo é de uma casa de cupinzeiro, construída num
sítio em Botucatu – SP. É importante frisar que era um sítio degradado onde o pasto se encontrava
cheio de cupinzeiros:

A ideia foi reutilizar o cupinzeiro em forma de matéria prima. Com a ajuda de uma picareta, ele foi
retirado do pasto e dividido em blocos, desses blocos – pedra sobre pedra – foram feitas as paredes
da casa que não tem na sua constituição pilares nem vigas:

Foi uma casa construída em 2004 e no ano de 2016, ela se mantinha firme:

A pessoa que mora na casa é parte dela que por sua vez, é um organismo vivo. A espessura das
paredes e o conforto térmico, também foram feitos com o material que se encontrava no pasto e a
parte de fora foi colorida com tinta natural. A tinta comprada em lojas é tóxica porque é feita de
compostos orgânicos voláteis que não existem quando se trabalha com argila, por exemplo. Usar
materiais que fazem bem pra saúde, reduz o impacto e ao invés de fazer “menos mal” pra saúde,
fazem bem.

novembro 16, 2018

1respostas em "Quando a matéria-prima pertece ao lugar."

  1. QUE SONHO…. 😍

Deixe sua mensagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Instituto Pindorama - Todos os direitos reservados
Share This